Morador de São José suspeito de matar homem no centro de Areal tem prisão temporária decretada e é preso

O suposto autor do homicídio ocorrido em Areal, no dia 6 de novembro, foi localizado pela polícia na última sexta-feira (7). Munidos de mandado de prisão temporária, agentes da 108ª DP foram até a Estrada Silveira da Mota, Parada Morelli, São José do Vale do Rio Preto (RJ) onde encontraram e prenderam o R. R. da S. J..

De acordo com as informações, R. R. da S. J. teria matado Ruan Gregório Bretas a tiros na Rua Afonsina, no Centro de Areal, quando a vítima caminhava com sua namorada. O suspeito veio em uma motocicleta, estacionou a mesma, desceu do veículo, retirou a arma de fogo e efetuou um disparo contra a vítima pelas costas.

O homem ainda tentou correr, mas o autor efetuou mais dois disparos contra Ruan que foi a óbito. A mulher conseguiu fugir, sem nada sofrer. O homicídio foi registrado na delegacia, e desde então vinha sendo investigado.

Buscas por suspeitos foram feitas, câmeras de segurança analisadas, testemunhas e outras informações que pudessem contribuir para elucidação do crime e identificação do autor, foram colhidas pela polícia.

No final do novembro, com inúmeras evidências, testemunhos e imagens de câmeras de segurança, o delegado titular da 108ª DP, Ney Loureiro, representou pela prisão temporária de R. R. da S. J.. Após analisar o caso, o Ministério Público opinou favoravelmente, onde foram deferidos posteriormente pelo juiz.

Vale destacar que durante as investigações, agentes da 108ª DP trocaram inúmeras informações com policiais militares do DPO de Areal, resultando na prisão de mais um (até então) suspeito de ser autor de um crime horrendo, em tese, passional (motivado por ciúmes).
R. R. da S. J. que tem anotações anteriores por porte de drogas para consumo próprio e lesão corporal, sendo encaminhado para a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), onde permanecerá à disposição da Justiça.

Em tempo:
Após pedido da advogada do então suspeito pelo crime, conforme divulgado pela autoridade policial, a senhora Luana Andrade, solicitou a retirada do nome completo de seu cliente, onde passamos a usar somente as iniciais para descrevê-lo. Deixando espaço ainda, para caso queira divulgar nota de defesa.

De acordo com a advogada, o pedido se dá pelo fato de seu cliente ainda não ter sido julgado como autor do crime, tendo apenas sido decretada uma prisão temporária em desfavor de seu cliente.

Fonte: EntreRios Jornal
(Imagem: Divulgação)