Prefeito Gilberto Esteves faz balanço de seu governo e promete conclusão de grandes obras em São José

Na última semana, o prefeito de São José do Vale do Rio Preto, Gilberto Esteves, concedeu uma entrevista local, onde fez um balanço sobre seu governo nesses dois primeiros anos e a expectativa para que até o final ainda de 2019, grandes obras possam ser concluídas.

Construção da nova ETA – Estação de Tratamento de Água do Centro da cidade
O principal assunto abordado foi a questão do Projeto da nova ETA – Estação de Tratamento do Centro de São José. De acordo com o prefeito, o projeto já está na Câmara Municipal de vereadores para análise e aprovação. A prefeitura protocolou na última sexta-feira dia 26, sob o número 00330. O pedido de abertura orçamentária no valor de R$ 1 milhão de reais em regime de urgência.

A nova ETA do Centro da cidade, que irá produzir cerca de 34 litros de água por segundo, vai custar pouco mais de R$ 2,3 milhões de reais, com parte dos recursos provenientes do excesso dos royalties de petróleo que o município recebe do estado. A prefeitura irá investir na obra da ETA um total de R$ 1,3 milhão de reais, sendo a outra parte dos recursos paga pela empresa Águas do Rio Preto, no valor de R$ 1 milhão de reais.

Segundo o prefeito, no plano de desenvolvimento anual da empresa, que deve ser apresentado todo ano ao executivo, neste ano de 2019 consta a construção da nova ETA, além de outros investimentos na área.

Gilberto disse que a nova ETA será muito significativa, pois as duas estações existentes no município, da Maravilha e da Araponga, ambas trabalham com 14 litros por segundo. Por tanto a nova estação de tratamento irá fornecer mais que o dobro das duas ETA’s atuais juntas, com cerca de 34 litros por segundo. O prefeito acredita que dentro de 180 dias a o projeto já possa ter sido iniciado.

A água que será tratada na noa ETA será a do Rio Preto, sendo instalada possivelmente próxima a Coopervale ou o prédio do DPO. Gilberto disse que a ETA do Centro iá tratar água no período considerado de estiagem na cidade, de maio a setembro onde a Estação da Maravilha não comporta atender a demanda existente durante todo o período. Mas que fora da estiagem, a Maravilha consegue suprir todo o fluxo local.

Sobre as estratégias montadas pela Águas do Rio Preto, o prefeito vê de forma positiva a gestão da empresa nesse período inicial. Esteves acredita ainda numa melhora mais positiva no setor de tratamento e distribuição de água na cidade até o final do ano.

Diretor da Águas do Rio Preto esteve na Câmara de Vereadores falando sobre as estratégias para sanar o problema da falta d’água
Nos últimos dias, a empresa tem sido alvo de grandes reclamações por conta da falta d’água em vários locais. Por conta da enorme insatisfação popular, os vereadores convidaram o empresário José Renato, diretor da Produsa Ltda EPP – Águas do Rio Preto, empresa permissionária dos serviços públicos de abastecimento de água.

Durante o encontro, o diretor das Águas do Rio Preto respondeu aos questionamentos feitos pelos vereadores, especialmente com relação à distribuição de água tratada no município, que durante todo este mês de abril vem sendo feito de forma irregular, gerando inúmeras reclamações por parte dos usuários.

O diretor apresentou um plano de distribuição que vem sendo implementado para normalizar o serviço, bem como abordou outras questões relativas ao serviço, como a capacitação de água nos mananciais, a capacidade de tratamento da água coletada, o volume que hoje é disponibilizado para a população e a real necessidade de oferta de água para atender os usuários de toda a Cidade.

Não foram divulgadas quais ações imediatas a empresa irá adotar para sanar o problema que vem assolando nos últimos dias vários bairros da cidade.

Prefeito Gilberto garante que a administração municipal está se preparando para levantar voo
Apesar de muitas criticas que o governo vem recebendo desde o início do mandato, Gilberto garante que bastante serviços de recuperação e asfaltamento de ruas e estradas serão aplicados na cidade. O momento segundo ele, é que a administração está se preparando para levantar voo. Nesses dois primeiros anos Gilberto disse que a estratégia foi consolidar as políticas de equilíbrio fiscal e econômico, em especial a folha de pagamento. Estando agora o município saneado, tendo recursos em caixa pra fazer o novo prédio que será a sede da prefeitura, na atual localização da Coopervale. Bem como a construção da ETA do Centro, a construção da nova Escola da Barrinha e a conclusão da obra da Escola de Águas Claras.

O prefeito disse que até o final do ano espera estar com todas essas obras concluídas.

Asfaltamento de ruas, estradas e a situação da RJ-134
Quanto a situação da Estrada Silveira da Motta e da Rodovia Bianor Martins Esteves, no Poço Fundo, Gilberto disse que o trecho que é de responsabilidade do Estado, através do DER, que vai mal das pernas. Porém, o prefeito disse que a prefeitura não tem muita ação que possa fazer na RJ-134, mas que as poucas que poderão ser feitas, ainda que timidamente falando, o município tentará. Pois, segundo Gilberto, a prefeitura não pode investir no local que depende exclusivamente de ações do Governo do Estado. O asfalto comprado através de licitação vai ser usado nas estradas e ruas do município.

Situação da Clínica de Águas Claras que está abandonada
Outro ponto que o prefeito citou, foi sobre a Clínica de Águas Claras que está abandonada. O local está parado há anos esperando pela conclusão da obra. Segundo Gilberto, a prefeitura está aguardando o Governo do Estado entregar a obra ao município, para que a prefeitura possa levantar os custos para sua conclusão e terminar a obra. O chefe do executivo municipal disse que a prefeitura já conta com verba para poder administrar a unidade e fazê-la funcionar corretamente.

A clínica faz parte de um cronograma de 22 unidades construídas pela empresa Valença, contratada pelo Estado, que já construiu algumas, restando poucas a serem concluídas, como é o caso da de São José. Segundo o prefeito, por conta da empresa estar envolvida com problemas judiciais, incluindo a irregularidades apontadas na Operação Lava Jato, a obra está parada. E ele acredita que o Estado não vá mais concluir essa obra.

A intenção demonstrada pela município é que o Estado entregue prédio para a prefeitura, para que o governo municipal possa concluir a obra e adequar o projeto à realidade atual. Gilberto acredita que serão necessários cercas de R$ 200 mil reais para finalizar a obra e por em funcionamento. Mas que só pode começar a fazer algo no local quando o Governo do Estado oficialmente entregar os documentos do projeto nas mãos da prefeitura.

Compra de duas novas ambulâncias e um novo mamógrafo
O prefeito citou também a respeito da compra das duas ambulâncias tipo A, modelo básicas preparadas para UTI, além de um mamógrafo novo no valor de R$ 300 mil reais.

Aquisição de ônibus escolar com acesso para cadeirante
Na manhã da última sexta-feira dia 26, foi entregue para a Secretaria Municipal de Educação um ônibus escolar grande de última geração, com capacidade para 59 lugares e adaptação para cadeirante. O veículo custou R$ 228.912 reais e foi adquirido pela adesão à ata do Programa Caminhos da Escola.

Situação do trânsito local e a falta de educação dos motoristas
No que diz respeito a questão do trânsito local, Gilberto foi categórico em afirmar que os motoristas de São José são sem educação. Segundo ele, a luta tem sido grande e difícil, pois depende do concurso publico para atender a nova demanda que irá gerar, seguindo o CNT – Código Nacional de Transito, para dar habilitação aos agentes que serão contratados, bem como fazer valer o convênio com a Polícia Militar que já está alinhado para entrar em operação.

Com diversos veículos estacionados nas calçadas, onde até mesmo donos de comércio estacionam de um lado da via e vão para o outro trabalhar, que a população deveria boicotar esses comércios que fazem uso de estacionamento irregular e não comprar mais nesses locais. E que os demais motoristas deveriam criar mais educação no trânsito. Gilberto afirma que somete com a punição desses infratores que a problemática deverá se resolver definitivamente.

Ele citou a tentativa feita há algum tempo na região central da cidade, onde a Defesa Civil e Ordem Pública instalou placas, fez marcações, colocou cones e que de nada adiantou. Somente nos primeiros dias se percebeu uma diminuição nas infrações, mas que foram vistos vários condutores amassando cones e usando da falta de educação, que além disso é uma infração de trânsito.

Da redação: Fábio Brunno
(Imagem: Reprodução)

Anúncios