Manancial que abastece região central de São José atinge volume morto devido à estiagem

O manancial que abastece a área central de São José do Vale do Rio Preto, na Região Serrana do Rio, está operando com o volume morto devido à estiagem.

Ao todo, a Estação de Tratamento de Água (ETA) Maravilha abastece cerca de 6 mil moradores, que vem enfrentando problemas com a falta de água nos últimos meses.

“Eles ligam a água um dia e deixam a população até uma semana sem água”, disse a moradora Thamires Garcia, de 31 anos.

O secretário de Defesa Civil da cidade, Rômulo Bulhões, destacou que nunca viu a ETA Maravilha na situação que está.

“Nunca houve uma situação como essa agora, mas se tiver uma chuva boa ela recupera”, afirmou.

Porém, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), não há previsão de chuva significativa para a região nos próximos dias.

A Produsa Águas do Rio Preto, responsável pelo abastecimento na cidade, disse que tem usado alternativas para reduzir os impactos para a população, como o abastecimento feito por meio de carros-pipa.

Com isso, o número de pessoas prejudicadas com a falta de água reduz de 6 para 2 mil. Os carros-pipa são abastecidos pela ETA Araponga que está resistindo aos efeitos da estiagem, segundo a empresa.

Ainda como medida emergencial, a concessionária informou também que construiu uma nova captação, que vai retirar água do Rio Preto para abastecer a região central da cidade.

Segundo José Renato, responsável pela concessionária, as obras já foram concluídas e a nova captação está em fase de testes. A previsão, segundo ele, é que ela entre em funcionamento até sexta-feira (2).

Nova ETA
Rômulo Bulhões afirmou que além desse sistema de captação, também está sendo licitada a construção de uma nova ETA no Centro da cidade. Segundo ele, a previsão é que as obras sejam iniciadas em até 60 dias.

Ele disse ainda que no ano passado a cidade também teve um período grande de estiagem, mas não com tanta gravidade como neste ano.

Consequências da estiagem

Além da falta de água, a Defesa Civil do município disse que a cidade também está enfrentando o aumento de incêndios florestais.

Segundo o secretário, foram registrados 19 focos no período de estiagem de 2019. Uma casa chegou a ser atingida por um dos incêndios. Ninguém ficou ferido, mas ele contou que o morador perdeu tudo que tinha.

Fonte: G1

Anúncios