Prefeito Gilberto faz balanço de seus 2 anos e 11 meses à frente do executivo de São José

O prefeito de São José do Vale do Rio Preto, Gilberto Esteves, participou na manhã desta sexta-feira dia 22, de uma entrevista na Rádio Ativa FM, onde falou sobre sua gestão à frente do Executivo municipal.

Gilberto chega a marca de 2 anos e 11 meses no comando da prefeitura. O chefe do executivo disse que o balanço é positivo, diante das circunstâncias regionais. Apesar de achar que poderia ser melhor e que mesmo sendo positivo, não está ainda cem por cento satisfeito, querendo que as coisas melhorem.

O prefeito citou que um grande problema da cidade, que é de ordem estadual, é o caso da RJ-134, no caso, a Estrada Silveira da Motta, que liga a Estrada União e Indústria, na cidade de Petrópolis, até a BR-116, em Teresópolis, que está sucateada e o Estado é o responsável pela sua manutenção. Mesmo com muitas idas ao DER e ao gabinete do Governador do Estado, não se tem de fato uma data para iniciar os trabalhos de recapeamento na rodovia. O prefeito disse que o estado parece ter se acomodado à situação, em que pequenas ações da prefeitura para tentar ajudar, possam estar sendo interpretadas como satisfatórias. O que na verdade não pode e não poderia acontecer.

Gilberto chegou mencionar até uma possível convocação para uma manifestação pacífica, para cobrar com mais energia as ações do Governo Estadual.

Sobre as manutenções nas estradas de responsabilidade do município, uma questão levantada foi sobre começar um tapa-buraco e não terminar todo o trecho da via. Gilberto disse que mais de 80% dos locais que deveriam receber a massa asfáltica já foram contemplados. E que, alguns lugares, dependem apenas de um novo contrato para conclusão dessas ações, uma vez que a massa asfáltica havia acabado. Segundo ele, com o novo contrato, será feito de forma conclusiva, levando em conta que época de chuvas e falta de sol, acaba atrasando um pouco esse processo de conclusão. O prefeito disse que o cronograma está seguindo dentro do esperado, obedecendo primeiro as necessidades das vias maiores, sendo direcionado nesta segunda etapa do processo de asfaltamento, para os trechos menores.

Sobre a questão da água, Gilberto comemorou que a situação está quase resolvida. Infelizmente, a inauguração da nova ETA, que estava prevista para ser feita em 15 de dezembro, não será mais possível. Sendo agendada uma nova data, possivelmente para o mês de março de 2020.

Na questão dos laudos que apontam a qualidade da água, bem como o andamento da CPI da Águas do Rio Preto, todas as informações estão sendo acompanhadas e estão seguindo bem, conforme apontou o chefe do executivo. Apesar de não ter citado quais foram os resultados desses laudos.

Sobre o PSF de Pedras Brancas, que engloba o PSF de São Lourenço, será feito um cronograma de atendimento, em formato de parceria, com as ações aplicadas no dois postos. Que deverá atender a demanda do bairro.

Quanto a quadra poliesportiva de Pedras Brancas, que teve a cobertura destruída por conta de um temporal, a situação está em análise, para que caso seja uma questão de falta de material especificado ou negligência da empresa, que a mesma possa refazer o que for de sua competência. Porém, por estar dentro do prazo de garantia, não se pode ainda retirar os materiais, para não haver penalizações futuras, dependendo de uma perícia, e conclusão do processo que está sendo analisado para apontar como resolver o mais rápido possível.

A quadra de Pouso Alegre, através do Programa Estadual Somando Forças, segue com o problema de que acabou o dinheiro e o Governo do Estado afirma que vai mandar verba, mesmo depois da empreiteira ter abandonado a obra.

Sobre as localidades que receberam o serviço de rede de esgoto, ficando pendente a finalização do asfaltamento, Gilberto disse que os trechos necessitando da massa asfáltica vão ser atendidos o mais rápido possível.

Na questão da obra do HMST – Hospital Maternidade Santa Theresinha, Gilberto disse que o projeto já está pronto, tanto o da parte elétrica, que custará em torno de R$ 700 mil reais, como da parte civil, que custará R$ 300 mil reais, totalizando o valor da obra em R$ 1,2 milhão de reais. O prefeito disse que falta apenas a aprovação dos vereadores em uma suplementação de valores, em torno de R$ 700 mil reais, pois o restante, a prefeitura já dispõe, para dar início à licitação em que irá escolher a empresa responsável pela reforma do hospital. Segundo garantido pelo chefe do executivo, a obra terá início em janeiro de 2020. E que a licitação será feita ainda este ano. O prefeito disse que será um hospital moderno, com todos os equipamentos que precisam estar em funcionamento em seu devido lugar, atendendo à população; não mais correndo riscos de oscilações na energia, que possam acabar queimando os equipamentos adquiridos. Gilberto destaca que serão muitas benfeitorias que estarão sendo disponibilizadas através da reforma da unidade hospitalar.

Na questão de transferências de pacientes, onde tantas reclamações são sempre levantadas, Gilberto disse que, o que se compreende como saúde básica, de responsabilidade do município, São José vem buscando atender da melhor forma, e que na questão envolvendo o SISREG – Sistema e Regulação, que é o caso das transferências de pacientes, já passa para uma questão de responsabilidade e gestão do Governo do Estado. Que segundo Gilberto, a Secretaria de Estado de Saúde, vem buscando solucionar a questão, para atender a demanda dos pacientes existentes; mas que precisa de uma maior agilização do setor. O chefe do executivo citou casos envolvendo pacientes com processo judicial, que se o Estado não der uma solução emergente no atendimento, que acaba correndo o risco de ficar com verbas importantes bloqueadas.

Sobre os exames de endoscopia, mamografia e ultrassonografia, que eram feitos em São José, e atualmente, estão sendo realizados em outras unidades hospitalares, Gilberto disse que o novo mamógrafo já está comprado e precisa que instalações adequadas de energia, possam por exemplo, estar prontas, para que não cause nenhum risco de perder o equipamento. E que em breve, isso já será resolvido com a reforma do hospital. Gilberto falou sobre o atual equipamento, que segundo ele, está velho, onde é mais garantido fazer os exames em outra cidade, dando um melhor resultado com garantias para o paciente, do que usar um equipamento velho que não traga uma boa elucidação de como está a saúde e também poder dar uma condução correta no tratamento médico.

Sobre os exames de endoscopia, apesar de conseguir fazer pelo mesmo valor de um paciente que se investe no município, em outras cidades conseguir fazer com dois pacientes, que é necessário, por uma questão de bem estar, que o exame possa voltar a ser feito o mais rápido possível em São José. O prefeito disse que vem cobrando da Secretária de Saúde, Rafaela Rampini, para que a situação seja organizada da melhor forma.

Na questão da contratação de médicos, Gilberto falou sobre a dificuldade de ter os profissionais no município, por conta de várias oportunidades que eles tem em outras cidades, como Teresópolis e Petrópolis, que pagam acima dos R$ 14 mil reais, enquanto São José pode oferecer apenas R$ 11 mil reais de salário. Mas, que vem buscando sanar a situação, através de contrato direto, com validade média de 180 dias.

Sobre a obra do novo Centro Administrativo, o prefeito citou rapidamente, que até agosto de 2020 a obra será concluída. Sobre o Plano Diretor do município, uma nova entrevista será marcada para falar a respeito do assunto, que demanda bastante tempo para explicações e responder as dúvidas sobre a questão, uma vez que algumas polêmicas foram levantadas nas redes sociais, mas não ficaram claras naquilo que de fato o projeto deverá ou poderá afetar para o bem e para caso exista, quais as mudanças irão prejudicar os moradores da cidade.

Também ficou para uma outra entrevista, mais detalhes sobre a questão do novo Concurso Público, que segundo afirmado anteriormente por Gilberto, será realizado no início de 2020.