Saquarema: Polícia investiga denúncias de venda de carne seca de fábrica clandestina para a prefeitura

A Delegacia do Consumidor (Decon) investiga se uma fábrica clandestina de carne seca em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio, vendia o produto para a prefeitura de Saquarema, na Região dos Lagos. Em redes sociais, moradores disseram que a carne vinha em cestas básicas escolares.

“A Decon instaurou inquérito policial para apurar as denúncias“, afirmou a delegada titular, Daniela Terra. A delegacia, segundo ela, está aberta para que outras denúncias sejam feitas a respeito do produto. “É importante que as pessoas que foram lesadas registrem”.

A fábrica clandestina de carne seca foi fechada pela Delegacia do Consumidor (Decon) nesta terça-feira (4) em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio. O dono da fábrica, Carlos José Castro da Silva, foi preso em flagrante. Foram apreendidas mais de 7,5 toneladas do produto na fábrica.

Na página Informe Itaboraí, usuários afirmaram que o produto foi distribuído em uma cesta básica de uma escola de Saquarema. Uma delas reclamou que não conseguiu cozinhar o produto.

“Além da aparência horrível, a carne era sebo puro. Não dava nem para por no feijão”, contou.

Na mesma postagem, outro comentário diz que a “Charque Lagos” foi disponibilizada em uma creche do município.

“Ainda está no meu congelador. Cruz Credo!!”

A Prefeitura de Saquarema confirmou que o Charque Lagos foi distribuído nas cestas básicas no mês de junho no município. Porém, alega que a compra e a distribuição do produto foi responsabilidade da empresa Nourrir Comércio e Serviços.

“Nos meses de março/abril, foi licitado o serviço de cestas básicas para o município. A empresa vencedora da licitação passou a ser a responsável pela compra dos alimentos, montagem, estocagem das cestas e envio para o município de Saquarema, de onde seriam distribuídas pela Prefeitura para as famílias cadastradas. Nas cestas, duas marcas de carne seca foram distribuídas”, explicou a prefeitura em nota.

A nota ainda acrescenta que, assim que soube do ocorrido, a prefeitura de Saquarema “entrou em contato com a empresa fornecedora das cestas básicas para solicitar a troca da marca em questão para as próximas cestas”.

Origem desconhecida
A origem da carne ainda é desconhecida. A polícia vai investigar quem comprou o produto junto ao estabelecimento. Carlos José responderá por venda de produto impróprio para consumo, com pena de 2 a 5 anos de prisão, e estelionato, por usar rótulos falsos na carne seca (charque).

Segundo as investigações, a fábrica não tinha qualquer documentação para funcionamento e estava em péssimas condições de higiene.

As carnes ficavam expostas em tonéis sujos, misturadas com produtos químicos e acondicionadas em embalagens com uma identificação “Charque Lagos”. O próprio dono colocava as datas de validade e fabricação a seu critério, sem controle e com selo falso da Secretaria de Agricultura.

Fonte: G1

Envie denúncias, informações, reclamações, vídeos e fotos para o WhatsApp ou Telegram da Rede Info News (32) 9 9803-5633, e conte para nossa equipe como está a situação do seu bairro ou região.

Rádio Rede Info News – Ouça agora!!!